Online only

e-Book Jujutsu. Na fronteira da profundidade. Português

EBK/JORDAN12-PORT

S. Jordan Augusto

New

  • eBooks PROMO 2x1. Pay 1 & Get 2. Discounts are automatically updated during the checkout process.

14,99 €

More info

Não há quem não corra atrás de seus interesses e de suas vontades. O dia-a-dia moderno se tornou uma guerra e, por mais que sejamos sábios, a disputa muitas vezes é inevitável. Seja no lado afetivo, profissional, familiar... O efeito comparação ainda é latente no ser humano e, na era das oportunidades, tudo pode se tornar uma "faca de dois gumes". Ou seja, o efeito sobrevivência está se tornando mais forte no bicho-homem.
Na China antiga o caractere shi, ou cavaleiro, significava ao mesmo tempo pessoa instruída e guerreiro. Para os mais sábios, a via dos guerreiros significa familiarização com as artes culturais e as artes marciais. Todos os grandes livros taoístas, que contêm na sua essência uma resposta à desarmonia, desde o I Ching (O Livro das Mutações), passando pelo Tao Te Ching, de Lao Tsé, ou o Livro dos Sábios, até naturalmente à Arte da Guerra de Sun Tzu, todos eles contêm avisos contra o uso das armas.
De acordo com estes clássicos de ideologia política chinesa, onde a estratégia militar era apenas um ramo subordinado da estratégia social, a guerra é destrutiva, mesmo para quem vence.
Mas inevitavelmente, percebemos que nunca o homem competiu tanto contra si mesmo como nesta era moderna. Todos querem se aprimorar, se elevar socialmente, mas poucos de fato constroem interiormente aquilo que acreditam como correto e imutável.
A sociedade capitalista a cada instante dita novas regras e, quando não são seguidas, se foge do padrão exigido pelas grandes corporações. Todos os dias nós presenciamos a criação de cursos e mais cursos sobre novidades no setor executivo e profissional. A cada momento surgem novos gurus financeiros que ditam os rumos das embarcações sociais. E aí?... E se em nós a verdade for diferente?
Num orfanato, igual a tantos outros que enxameiam por toda parte, havia uma pobre órfã, de oito anos de idade.
Era uma criança lamentavelmente sem encantos, de maneiras desagradáveis, evitada pelas outras, e francamente malquista pelos professores. Por essa razão, a pobrezinha vivia no maior isolamento. Ninguém para brincar, ninguém para conversar...
Sem carinho, sem afeto, sem esperança... Sua única companheira era a solidão. O diretor do orfanato aguardava ansioso uma desculpa legítima para livrar-se dela. E um dia apresentou-se, aparentemente, uma boa desculpa. A companheira de quarto da menina informou que ela estava mantendo correspondência com alguém de fora do orfanato, o que era terminantemente proibido...  116 pags.
 eBook em formato PDF. Idioma portugues